Como aumentar o lado curto do pênis? Peyronie e Princípios Geométricos

POR Dr. Paulo Egydio

BI-autor-tecnica-egydio

Muitos me conhecem como o autor da Técnica Egydio. Tenho muito orgulho desta minha contribuição à medicina e aos homens que sofrem com a Doença de Peyronie, e hoje este blog vai contar um pouco da minha história.

Ainda não sabe que enfermidade é essa? Saiba mais sobre a Doença de Peyronie.

Em 1996, eu terminei a minha residência médica em urologia na faculdade de medicina da Universidade de São Paulo (USP). Lá, passei dois anos em cirurgia geral e três anos na urologia.

Depois de tudo o que aprendi, decidi me dedicar a uma área de concentração de cirurgia peniana, pois me interessei por um desafio. 

Esse desafio era em relação a soluções que poderiam ser dadas para os diversos tipos de fibrose peniana

Por isso, solicitei ao Prof. Dr. Sami Arap, professor titular de Urologia, que pudesse criar um ambulatório específico para estudar a Doença de Peyronie no Hospital das Clínicas. Obtive essa permissão e realizei esse desejo em 1998.

A partir daí, passei cerca de oito anos atuando neste ambulatório como médico voluntário, e me tornei um especialista em urologia com foco total no tratamento da Doença de Peyronie. 

Durante todo este tempo, tive uma intensa produção acadêmica, e destaco aqui o projeto de pesquisa que serviu de base para a minha tese de doutorado. Eis os primórdios daquilo que foi carinhosamente batizado como como Técnica Egydio

O termo Técnica de Egydio ou Egydio's Technique foi atribuído por um grupo de urologistas. 

Em 2004 o urologista Dr. Harris Nagler, que atua em Nova Iorque, enviou uma carta ao médico, referindo-se aos princípios geométricos desta forma pela primeira vez. 

Ao longo dos anos seguintes, urologistas de diferentes partes do mundo, como os doutores John P. Mulhall, Salvatore Sansalone e Konstantinos Konstantinidis, usaram termos similares para discorrer sobre o tema. 

Posteriormente, outros urologistas em todo o mundo incorporaram a técnica a suas atividades e a seus estudos, referindo-se a ela como Técnica de Egydio e variações - uma forma carinhosa de dar respaldo à dedicação e empenho no tratamento das doenças. 

O que é a Técnica Egydio?

Todas as manobras adjuvantes já desenvolvidos para o tratamento da Doença de Peyronie e Disfunção Erétil consistem em, basicamente, melhorar uma técnica ou método já consagrado, inclusive a Técnica Egydio. 

A minha contribuição com a minha tese de doutorado foi em aplicar os princípios geométricos na correção da curvatura e/ou do afinamento peniano

Este estudo se apoia em conceitos matemáticos de engenheiros e arquitetos que fazem parte não só dos meus estudos, mas também da minha história de vida. 

Os princípios geométricos foram aplicados nas incisões que o cirurgião precisa fazer no pênis para tratar a Doença de Peyronie. Eles são feitos de forma mais precisa de acordo com a deformidade de cada paciente.

Antes disso, as técnicas tradicionais não definiam com tamanha precisão a quantidade, o tamanho, a localização e o sentido que os cortes deveriam ter para retificar um pênis com Peyronie. Foi essa a novidade que, os princípios geométricos da Técnica Egydio, trouxeram à minha tese.

Entenda os princípios geométricos

Imagine uma estrutura curva. Se traçarmos uma linha reta sobre ela, vamos identificar que essa estrutura começa a curvar quando deixa de tocar a reta. Também podemos perceber se há apenas um ou mais pontos curvados.

Técnica EgydioFigura 1. Através do encontro das duas tangentes (linhas em branco) é possível encontrar a bissetriz (linha em azul). A bissetriz define o ponto mais recomendado de onde deve ser feita a correção da a deformidade.

Se essa estrutura for um pênis ereto, o urologista pode calcular a diferença do lado longo e do lado curto, quanto é preciso esticar o lado curto para deixá-lo do tamanho do lado longo, e aí sim é possível definir quais são as incisões mais adequadas para aquele pênis. Além disso, dá para saber se tal incisão precisa de enxerto ou não

Com a aplicação desses cálculos, a precisão da correção das deformidades penianas é maior.

Técnica Egydio aplicada a implante peniano

Quando um pênis está torto e/ou afinado, não basta inserir uma prótese. Antes, é crucial avaliar se houve uma perda de tamanho, afinamento ou tortuosidade, pois na hora de implantar uma prótese peniana, é o melhor momento para se considerar uma reconstrução.

A expansão do tamanho e calibre são chamadas de manobras adjuvantes. Elas são amplamente aprovadas por especialistas em prótese, comunidade médica e sociedades urológicas, tanto no Brasil quanto em outras localizações. 

Neste caso, o que fiz foi trazer a mesma contribuição da Doença de Peyronie.

Agora, os procedimentos de recuperação das dimensões do pênis têm a localização e o sentido das incisões bem definidos, também de forma individualizada para o paciente e questão. 

Com isso, o resultado que obtemos é a possibilidade de implantar uma prótese que dará sustentação vertical compatível com a anatomia expandida daquele pênis.

Reconhecimento da Técnica Egydio

Graças a esse trabalho, nesses mais de 20 anos, tive o orgulho de obter muitos reconhecimentos que são importantes para a minha vida acadêmica e profissional. Veja alguns deles:

Com este breve histórico, espero ter contribuído com o acesso à informação para os meus pacientes, o que considero essencial para todos os homens que sofrem com problemas de saúde sexual. 

Conte comigo para continuar tirando as suas dúvidas. Será um prazer atendê-lo.  

Caso queira saber mais sobre os princípios geométricos, Técnica de Egydio e a minha contribuição para a literatura urológica, não deixe de assistir ao vídeo abaixo.
Como surgiu a Técnica Egydio?

ENVIAR UM WHATSAPP

LEIA MAIS

Para conhecer mais sobre o trabalho desenvolvido na clínica pelo Dr. Paulo, confira:

Dr. Paulo Egydio

MD, PhD, Dedicado no Tratamento da Doença de Peyronie, Pênis Curvo e Implante de Próteses Penianas. Doutor em Urologia pela USP, CRM 67482, RQE 19514. - Vencedor do Debate do Sobrevivente da AUA em 2019.

INSCREVA-SE NO BLOG