Câncer de Próstata: Consequências do tratamento e prevenção

consequencias-cancer-de-prostata.jpeg

Todos os homens correm o risco de desenvolver o câncer de próstata, e foi para alertar esse público sobre a importância da prevenção e do autocuidado que surgiu o Novembro Azul, uma campanha de conscientização realizada por diversas entidades e dirigida à sociedade, em especial aos homens, para destacar a importância das visitas regulares ao urologista e da realização dos exames periódicos indicados pelos especialistas.

No Brasil, trata-se do segundo câncer mais comum entre o público masculino, perdendo apenas para o câncer de pele (não-melanoma). A boa notícia é que a doença tem grandes chances de cura quando diagnosticada precocemente.

 

Saiba identificar o câncer de próstata

O câncer de próstata geralmente não provoca sintomas em estágio inicial. Por isso os homens precisam se conscientizar da importância das visitas regulares ao urologista, além da realização de exames periódicos indicados pelo especialista. Exames de sangue podem indicar alterações na próstata e os resultados devem ser combinados com os do exame de toque, que também revelam possíveis irregularidades ou nódulos.

 

Como é o exame de próstata?

Em 80% dos casos o câncer de próstata não tem início no seu interior e sim nas áreas mais periféricas da mesma, ocasionando uma espécie de caroço. Para identificá-la é imprescindível fazer o exame de toque, um procedimento rápido e indolor, mais simples do que muitos pacientes imaginam. O objetivo é permitir que o urologista encontre áreas endurecidas ou irregularidades na superfície da próstata.

O tumor de próstata pode ser tratado com cirurgia, radioterapia, terapia hormonal, quimioterapia, proteinoterapia ou alguma combinação destes. A forma de tratamento vai depender da avaliação médicas e do resultado dos exames.

 

Como prever problemas na próstata?

Apesar de ser uma doença silenciosa, e por isso a importância de realizar exames constantemente, é possível observar alguns indícios de que algo está errado com a próstata.

Se ela apresenta alguma anormalidade, isso afeta diretamente na forma de urinar, pois o canal que esvazia a bexiga passa por dentro da próstata. Dessa forma é necessário observar a frequência com que o paciente vai urinar, quantas vezes se desperta durante a noite para isso, a intensidade do jato de urina, o seu controle e a sensação após o esvaziamento da bexiga.

 

Consequências da cirurgia de próstata

A prostatectomia radical é o procedimento mais indicado para os casos de câncer de próstata, mas pode trazer algumas consequências.

Por interferir diretamente nos nervos que passam próximo a próstata, os pacientes tornam-se predispostos a desenvolver problemas de ereção, seja ela total ou parcial. Este, no entanto, não é motivo para deixar isso de lado, pois problemas de ereção têm tratamento, sempre. O mais importante é garantir a sua saúde, qualidade de vida e bem-estar.

Devido a redução no número de ereções após a retirada da próstata, principalmente as involuntárias, os tecidos do pênis podem desenvolver fibroses que levam à sua diminuição ou afinamento. Muitos homens têm dificuldade de lidar com esta questão, afinal ninguém quer o pênis maior ou mais fino. Assim como a disfunção erétil, esse problema também pode ser resolvido por meio de um procedimento baseado nos princípios da Técnica Egydio, para retomar o tamanho e calibre peniano.

Por fim, outro possível efeito da cirurgia de remoção da próstata é a incontinência urinária. O tipo de tratamento indicado, cirúrgicos ou não-cirúrgicos, irá depender de seu quadro clínico.

A boa notícia é que o câncer de próstata tem 90% de chances de cura, e o quanto antes a doença é diagnosticada, esse número só aumenta. Por isso é importante realizar os tratamentos preventivos.

E você, como anda a sua saúde sexual? Clique no botão abaixo e entre em contato para iniciarmos uma conversa.

 

ENTRAR EM CONTATO

Dr. Paulo Egydio

MD, PhD, Referência Mundial no Tratamento da Doença de Peyronie, Pênis Curvo e Implante de Próteses Penianas. Doutor em Urologia pela USP, CRM 67482.





Inscreva-se no blog