Cirurgia de Peyronie - Tratamento Clínico ou Cirúrgico?

em 27/jun/2017 18:41:19

PEYRONIE: TRATAMENTO CLÍNICO OU CIRÚRGICO?

Os tratamentos para a Doença de Peyronie podem ser clínicos ( medicamentos ) ou cirúrgicos (cirurgia para correção da deformidade no pênis – curvatura, afinamento, perda de tamanho).

Uma avaliação criteriosa com um médico urologista especializado com grande experiência no tratamento da doença de Peyronie é fundamental para um diagnóstico preciso em cada caso em particular, planejamento e realização do melhor tratamento, para obtenção do melhor resultado e a maior satisfação do paciente.

As chances de sucesso no tratamento estão diretamente associadas à experiência do urologista neste tipo de tratamento.

 

TRATAMENTO CLÍNICO PARA DOENÇA DE PEYRONIE

 

Os tratamentos clínicos para a doença de Peyronie disponíveis podem ser por meio de medicamentos orais,comprimidos ou pó, pomadas, injetáveis, aparelhos de tração.

Existem muitos medicamentos no mercado para tratamento da doença de Peyronie, mas infelizmente não há nenhum tratamento clínico com resultados incontestáveis.

Muitos pacientes nos dizem no consultório, que visitaram um urologista e que não sentiram segurança no médico, algumas vezes tiveram até a sensação de desprezo pela sua condição e que o seu urologista teve uma abordagem desanimadora sobre esta doença, não respondendo às suas perguntas detalhadamente, que não parecia querer ouvi-lo ou parecia não entender muito sobre a doença de Peyronie.

Você deve procurar um médico urologista especialista no assunto para ter um melhor resultado.

Alguns pacientes estão tomando medicamentos ineficazes e estão perdendo um tempo precioso para seus tratamentos.

 Muitos urologistasnão especializados neste tipo de tratamento, acabam não vivenciando muitos casos de doença de Peyronie no dia a dia de seus consultórios, não tendo muita experiência no diagnóstico e tratamento.

Os melhores resultados com tratamentos clínicos são obtidos na fase inflamatória da doença de Peyronie, quando as placas fibróticas ou deformidades penianas, como curvatura no pênis, afinamento do pênis, redução do tamanho do pênis, acinturamento do pênis, ainda não se estabilizaram, estão diminuindo, aumentando ou estão surgindo novas placas de fibroses.

A definição da indicação do uso de medicamentos – se será um tipo apenas ou o uso associado de dois ou mais – só é possível após uma avaliação médica criteriosa e minuciosa para cada caso em particular.

Exemplos de medicamentos usados para o tratamento clínico:

  • Potaba – Paraaminobenzoato potássio
  • Vitamina E
  • Colchicina
  • Verapamil (injetável)
  • Interferon (injetável)
  • Xiaflex (injetável)

Os Aparelhos de tração não devem ser utilizados sem orientação e acompanhamento médico especializado.

Quando, após avaliação, verifica-se que já não há mais indicação de tratamento clínico com medicamentos ou não houve resultado satisfatório, pode ser necessário o tratamento cirúrgico.

Após a fase inflamatória, teremos a fase cicatricial definitiva, onde a doença ficará estável (nem melhora e nem piora).Dependendo da deformidade peniana, será decidido ou não por uma correção cirúrgica. Nesta fase, não adianta manter uso de medicamentos na tentativa de solução da deformidade peniana.

 

TRATAMENTO CIRÚRGICO PARA A DOENÇA DE PEYRONIE

 

Os casos que se encontram em estágio mais avançado, na fase de cicatrização da lesão(fase que não adianta mais tomar remédios na tentativa de melhora do problema), necessitam de cirurgia para recuperação do formato, tamanho e capacidade de penetração do pênis.

As opções cirúrgicas mais comuns incluem:

  • Cirurgia de Nesbit – a túnica albugínea que recobre o corpo cavernoso no lado oposto ao local onde a placa está localizada é plicada (dobrada). Este procedimento pode endireitar o pênis, porém não recupera o tamanho do pênis causado pelo encurtamento provocado própria doença e reduz ainda mais o comprimento do pênis.

    A curvatura peniana ocorre porque uma membrana, túnica Albugínea que reveste os corpos cavernosos, com menor elasticidade do que deveria ter, devido à doença, provoca o seu repuxamento.

    As técnicas cirúrgicas tradicionais (como a de Nesbit) utilizadas para tratamento da doença de Peyronie, levam à diminuição do pênis, pois se retira tecido da parte longa do pênis (parte boa) igualando a parte curta (parte comprometida pela doença de Peyronie). Esse procedimento diminui o tamanho do pênis, o que apesar de poder corrigir a curvatura peniana frequentemente leva à grande insatisfação dos pacientes pela redução do tamanho, que pode ser tão maior quanto maior for a deformidade (curvatura, perda de tamanho, afinamento), podendo ter como resultado um pênis pequeno ou muito pequeno (alguns pacientes relatam que chegaram a perder cerca de até cinco centímetros ou mais do tamanho do pênis).

  • A cirurgia para tratamento da Doença de Peyronie com a técnica do Dr. Paulo Egydio, chamada de “Técnica de Egydio” (Reconhecida internacionalmente como “EGYDIO’S TECHNIQUE“, com patentes nos EUA e Europa), técnica cirúrgica diferenciada, baseada em princípios geométricos, alonga-se o lado curto do pênis(lado comprometido pela doença de Peyronie) até deixá-lo do tamanho do lado longo (lado não comprometido pela doença), proporcionando desta forma um alongamento do pênis, recuperando o máximo possível do tamanho do pênis (conseguindo-se um aumento do tamanho do pênis que tinha sido diminuído pela doença) e consequentemente proporcionando melhor resultado e maior satisfação do paciente.

    Com esta técnica, o Dr. Paulo Egydio alonga o pênis, recuperando maior tamanho e calibre possível de pênis, até o limite do tamanho dos nervos, vasos e uretra, que é o maior tamanho possível em um procedimento reconstrutivo do pênis na correção da doença de Peyronie.

Dr. Paulo Egydio já fez mais de 5.000 cirurgias de correções de todos os tipos de deformidades no pênis (curvaturas, afinamentos, perdas de tamanho), em pacientes de todas as partes do Brasil e também do exterior, sendo frequentemente indicado por profissionais médicos e centros urológicos nacionais e internacionais, inclusive para os casos mais complicados e diferenciados.

Recebe, inclusive, muitos pacientes para reoperação, de casos de cirurgias prévias com outros médicos com resultados mal sucedidos ou insatisfatórios.

Nestes casos de reoperação, o paciente pode passar por um novo procedimento, mesmo que tenha sido implantada prótese. Dependendo do caso, é possível em uma nova cirurgia, alongar e recuperar o maior tamanho e calibre possível do pênis (até o limite do tamanho dos nervos, vasos e uretra) e a habilidade de penetração.

 

CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES SOBRE A CIRURGIA DE PEYRONIE

 

É muito importante que o cirurgião escolhido domine as técnicas cirúrgicas, tenha habilidade e experiência de longo prazo, porque é necessário um alto grau de especialização, tanto para evitar possíveis complicações, como para se obter o melhor resultado e a maior satisfação do paciente.

O procedimento é simples e com desconforto mínimo e recuperação rápida.

A cirurgia é realizada com anestesia local e sedação, para dormir durante o procedimento, com alta hospitalar até no mesmo dia, dependendo do horário da cirurgia.

O retorno às atividades normais de trabalho ou estudo, exceto atividades físicas, tem sido possível na maioria dos casos em dois a três dias.

A cicatriz é discreta e semelhante à da fimose.

O fio utilizado é transparente e absorvível, a sutura é semelhante à da cirurgia plástica, não necessitando da retirada dos pontos.

Quando o paciente apresenta concomitante à doença de Peyronie, disfunção erétil, inicialmente poderá ser tratado e, se havendo resposta adequada aos medicamentos, poderá então ser feita somente a cirurgia da correção da curvatura peniana.

O Dr. Paulo Egydio evita, ao máximo, o implante de prótese peniana. A prótese peniana é indicada quando o paciente tem disfunção erétil associada à doença de Peyronie, sem resposta adequada aos tratamentos clínicos convencionais (ou não adaptação a estes tratamentos) ou  em casos em que os exames prévios à cirurgia comprovem problemas vasculares severos no pênis.

Nos casos que há indicação para implante de prótese peniana, o Dr. Paulo Egydio tem o grande diferencial de fazer a correção da deformidade no pênis (curvatura, afinamento, redução do tamanho) e o implante da prótese durante a mesma cirurgia.

Somente o implante da prótese, sem a correção da curvatura com o alongamento do lado curto do pênis (reconstrução cirúrgica dos corpos cavernosos), não seria possível este ganho de tamanho. Este é um grande diferencial, com o emprego da técnica cirúrgica do Dr. Paulo Egydio, recuperando o máximo possível de tamanho peniano antes do implante da prótese.

 

Dr. Paulo Egydio

MD, PhD, Referência Mundial no Tratamento da Doença de Peyronie, Pênis Curvo e Implante de Próteses Penianas. Doutor em Urologia pela USP, CRM 67482.