Impotência sexual ou Disfunção erétil? Saiba qual a diferença

POR Dr. Paulo Egydio

Impotência sexual ou Disfunção erétil? Saiba qual a diferençaOs termos são correlatos, mas a impotência sexual é mais abrangente e não significa, necessariamente, que o paciente tem dificuldade para obter ereções na relação sexual.

Tabu entre os homens, o assunto é tão pouco discutido que eles sequer sabem se o correto é impotência sexual ou disfunção erétil. Afinal, quando o pênis falha na hora H, o constrangimento é tamanho que dificulta até mesmo a busca por ajuda. 

O termo correto pode parecer apenas um mero detalhe, mas é importante quando a discussão chega aos consultórios urológicos, uma vez que só com o diagnóstico correto é possível determinar um tratamento para sanar o problema.

Antes de aprender a diferença entre impotência sexual e disfunção erétil, é preciso entender como funciona a ereção. Vamos lá?

Como funciona a ereção?

Leonardo da Vinci, principal expoente do Renascimento, não só pintou a famosa Monalisa. Ele também descreveu, em 1477, o mecanismo da ereção. Embora com algumas falhas, ele foi o primeiro a observar corretamente que o membro ficava ereto ao se encher de sangue. 

Quando o fluxo sanguíneo aumenta, os corpos cavernosos (dois tubos cilíndricos no interior do pênis) absorvem o sangue, como se fossem uma esponja, e aumentam de volume, provocando a ereção. 

Para que isso aconteça, o homem precisa receber um estímulo erótico para que estímulos nervosos sejam levados do lobo frontal do cérebro até o pênis, fazendo com que os os corpos cavernosos relaxem sua musculatura e dilatem suas artérias, abrindo caminho para o alto fluxo sanguíneo que preenche as estruturas. Com o aumento de volume, os corpos cavernosos pressionam as veias no membro, retendo o sangue na região e mantendo o pênis ereto.

Qualquer falha nesse complexo mecanismo pode causar a disfunção erétil.

Diferença entre impotência sexual e disfunção erétil

Usualmente usadas como sinônimos, as expressões têm significados distintos para os especialistas. 

A impotência sexual é um conjunto de condições que prejudicam a vida sexual do paciente. Já a disfunção erétil é uma das condições que está contida nesse grupo, assim como a ejaculação precoce ou a falta de desejo sexual. 

A disfunção erétil refere-se, especificamente, à incapacidade de ter e manter uma ereção satisfatória na maioria das relações sexuais. Falhas ocasionais não se encaixam no quadro. 

Quais são os tipos de disfunção erétil?

Há três principais tipos de disfunção erétil e a correta identificação é essencial para que o homem realize o tratamento adequado para retomar a função peniana.

  • Psicogênica: causada por fatores emocionais, como ansiedade e medo de falhar, é o tipo de disfunção mais comum. Nesse caso, os picos de adrenalina fazem as estruturas se contrair, impedindo a ereção. Até mesmo o excesso de pronografia pode afetar o desempenho, segundo a Associação Europeia de Urologia.
  • Orgânica: é relacionada a fatores vasculares que podem ter origem arterial, hormonal, uso de certos medicamentos e doenças que deformam o pênis, como a Doença de Peyronie. É comum ser observada em pacientes acima de 40 anos.
  • Mista: envolve tanto fatores emocionais quanto físicos. Pode ser o caso de pacientes que apresentam, por exemplo, curvatura congênita do jovem. 

Descubra se diabetes causa disfunção erétil.

O que é bom para disfunção erétil?

Como falamos ali em cima, apenas identificando o tipo e as causas da disfunção erétil é que será possível estabelecer o que funcionará para o problema, de forma individualizada para cada paciente. 

Um dos tratamentos mais lembrados é com o citrato de sildenafil, medicamento popularmente conhecido como Viagra. Descoberto completamente por acaso por uma empresa farmacêutica norte-americana, o remédio dilata as artérias e entrega um maior fluxo de sangue para o corpo, especialmente na região do pênis. 

Ele é, entretanto, uma solução temporária para disfunção erétil. Apesar de ser comercializado sem receita médica, o parecer de um profissional é obrigatório, pois o sildenafil tem contraindicação para portadores de doenças cardíacas.

Quando o paciente não apresenta resultados satisfatórios com os medicamentos orais, a alternativa pode ser a injeção peniana, sempre indicada pelo urologista. A composição da injeção peniana pode ser de prostaglandina, fentolamina, papaverina e/ou atropina e o próprio paciente pode aplicar na base do pênis para obter um efeito vasodilatador.

A injeção também é uma solução temporária, e que tem o agravante de, caso não seja corretamente aplicada, contribuir para a formação de fibroses penianas, especialmente em pacientes com comorbidades. 

Uma terceira opção é a bomba peniana, também chamada de bomba à vácuo. É um tubo no qual o homem insere o pênis e cria uma pressão negativa para a pressurização sanguínea, que resulta em uma ereção. Com o pênis ereto, é preciso soltar o anel que fica na base do membro e o mantém ereto. 

A desvantagem é que, além de indiscreto, o anel precisa ser removido em até 20 minutos após a pressurização. Após esse período, há risco de isquemia ou necrose do membro, que pode agravar a disfunção erétil. Por isso, a recomendação de um urologista é importantíssima antes de aderir ao tratamento.

Cirurgia de implante peniano para disfunção erétil

Quando os tratamentos clínicos não são adequados para o paciente ou não obtêm o efeito esperado, ainda é possível optar pelo tratamento cirúrgico. 

Quando o paciente tem indicação de correção cirúrgica da disfunção erétil com implante de prótese peniana, é importante considerar a reconstrução do pênis, que é a corporoplastia geométrica de aumento. Por meio da Técnica Egydio, o cirurgião pode reconstruir o membro e implantar uma prótese peniana com maior tamanho e calibre, limitados pelo feixe de nervos e da uretra. 

Entenda a Técnica Egydio para tratar a disfunção erétil.

O implante peniano tem o objetivo de dar a rigidez vertical  necessária para que o paciente tenha uma boa capacidade penetrativa.

Apesar dos benefícios, é preciso avaliar quando considerar a prótese peniana em conjunto com o especialista, pois nem todos os casos devem ser tratados cirurgicamente. 

Assista ao vídeo abaixo e saiba quais são os indicativos que diferem a Disfunção Erétil Arterial e a Disfunção Erétil Psicogênica:

Impotência Sexual ou Disfunção Erétil

Compartilhar com o urologista as suas questões sobre impotência sexual ou disfunção erétil é fundamental para receber o tratamento adequado e, ainda, retomar a saúde sexual. 

ENVIAR UM WHATSAPP

A estratégia cirúrgica publicada pelo Dr. Paulo Egydio, conhecida como Egydio’s Technique, faz parte das diretrizes da Associação Americana de Urologia (AUA), Associação Canadense de Urologia (CUA)Associação Européia de Urologia (EAU).

LEIA MAIS

Para conhecer mais sobre o trabalho desenvolvido na clínica pelo Dr. Paulo, confira:

Dr. Paulo Egydio

MD, PhD, Dedicado no Tratamento da Doença de Peyronie, Pênis Curvo e Implante de Próteses Penianas. Doutor em Urologia pela USP, CRM 67482, RQE 19514. - Vencedor do Debate do Sobrevivente da AUA em 2019.

INSCREVA-SE NO BLOG